“Senti-me querido e isso foi fundamental”

As primeiras palavras de Carlos Carvalhal deixam claro o quanto foi importante o sentir-se “querido” pelo Rio Ave FC e o quão fundamental foi o papel do presidente António Campos na decisão.

Depois de 10 anos fora do país, dos quais ficam a passagem pelo Reino Unido como expoente máximo de trabalho e prestígio, bem como o que Carvalhal fez em Portugal, nomeadamente no Sporting, Vitória de Setubal, entre outros, o regresso deve-se também ao “desafio” em abraçar um projecto de um Clube que o alicia e entusiasma por tudo o que tem conseguido fazer nos últimos anos.

Ambição e cultura de vitória. Tentar vencer sempre o próximo jogo, sem receios e preconceitos… é esta a filosofia de Carvalhal.